Prêmio Abraps

Prêmio Abraps Virada Sustentável

Como forma de dar visibilidade e estimular o trabalho dos profissionais que se dedicam ao tema do desenvolvimento sustentável em diferentes esferas, a Abraps – Associação Brasileira dos Profissionais pelo Desenvolvimento Sustentável e a Virada Sustentável decidiram se unir para criar em 2016 o “Premio Profissional e Cidadão pelo Desenvolvimento Sustentável“, que teve sua primeira edição na Virada Sustentável 2016. Hoje, o prêmio é denominado Prêmio Abraps Virada Sustentável.

O Prêmio Abraps Virada Sustentável tem como missão reconhecer boas práticas e histórias de vida para inspirar mais pessoas a se engajarem como profissionais pelo desenvolvimento sustentável.

Critérios avaliados:
1. Credibilidade: profissionais de reconhecida idoneidade no mercado;
2. Impacto Social: iniciativas que evidenciem resultados com impacto social qualitativo (Ex: história inspiradora) e quantitativo (Ex: números de beneficiados);
3. Escalabilidade: iniciativas que inspirem outros profissionais e sejam de fácil replicação.

Homenageados 2017

Dirlei Bravin – Coordenadora do GT Prêmio Abraps, Marussia Whately premiada do ODS 6 e Ismael Rocha – Conselheiro Consultivo da Abraps

Marussia Whately, Consultora na área de recursos hídricos e sustentabilidade. Coordena a Aliança pela Água, coalizão de organizações da sociedade para propor soluções para a crise da água em São Paulo. É organizadora e autora de publicações sobre recursos hídricos, saneamento e gestão ambiental municipal. Formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Mackenzie (1997) com especialização em gestão de recursos hídricos e meio ambiente urbano (UNICAMP/ABES, 1998).Há mais de dois anos vem trabalhando na Aliança pela Água (coalizão de organizações da sociedade para propor soluções para a crise hídrica em São Paulo) e fazendo um belo trabalho de pressão e articulação de atores para resolução dos problemas hídricos, isso através de campanhas como a #VotepelaÁgua – movimento que teve como objetivo incluir aos debates de campanha o tema da água, Manifestos pela nova cultura e cuidado com a água, lançamento de um app para sinalizar os locais onde está faltando água. – https://www.aliancapelaagua.com.br/ https://www.linkedin.com/in/marussia-whatelyhttps://www.linkedin.com/in/marussia-whately-56298816/?ppe=1

Dirlei Bravin – Coordenador do GT Prêmio Abraps, Renata Soares Piazon premiada do ODS 9 e Ismael Rocha – Conselheiro Consultivo da Abraps

Renata Soares Piazzon, Advogada ambiental, apaixonado por vida, ambiente e pessoas que mudam o mundo. Renata vive pesquisando projetos de impacto social e ambiental que servem de inspiração para sua vida e para pessoas ao seu redor. É uma das fundadoras e faz parte da equipe do projeto B.U.D. – Bonito, Útil & Durável que tem como missão criar uma rede de inovadores na moda para acelerar soluções coletivas para o setor, de forma circular e sustentável. Atuam em Paraisópolis, usando restos de tecidos das confecções do Bom Retiro, estilistas e modelos da comunidade –https://www.facebook.com/budstrategy/https://budstrategy.wixsite.com/budstrategyhttps://www.linkedin.com/in/renata-piazzon-82a5353a/?ppe=1

Dirlei Bravin – Coordenador do GT Prêmio Abraps, Valentina Medrano Coley, representando Edu Lyra e o Gerando Falcões premiada do ODS 10 e Ismael Rocha – Conselheiro Consultivo da Abraps

Edu Lyra, Viveu a infância dentro de um barraco, numa favela em Guarulhos, SP. O pai ingressou no crime e foi parar na prisão. A mãe foi o contraponto da história, que o inspirou a sonhar, dizendo: “Filho, não importa de onde você vem, mas, sim, pra onde vai”. O suficiente para que Edu se tornasse jornalista, autor do livro Jovens Falcões, um dos roteiristas do filme “Na Quebrada” e empreendedor social. O Gerando Falcões nasceu com o intuito de causar transformação social e mudar a realidade das periferias. O movimento começou em 2011, com pequenas ações e grandes ideias do então empreendedor social Eduardo Lyra, na época com 22 anos. A ONG foi institucionalizada em 25 de junho de 2013. No primeiro ano de fundação, o GF recebeu financiamento do Instituto PDR, que profissionaliza projetos de entidades com potencial de gerar alto impacto social. Com o recurso, a organização conseguiu implantar sete projetos socioeducativos, que atingem mais de 100 mil jovens por ano. O crescimento médio de abrangência é de cerca de 25% ao ano. Sediada em Poá, cidade da Grande São Paulo, o Gerando promove a paz em diversas periferias, favelas e presídios, com atuação em três frentes: esporte, cultura e renda. Partindo deste princípio, a ONG oferece ainda oportunidades a egressos, mediante recolocação ao mercado de trabalho. “Menos muros e mais pontes” é o lema do Gerando Falcões que, com o apoio de grandes marcas, de empresas, de tecnologias e de bons líderes, tem o sonho de transformar a periferia em um lugar mais justo e vibrante.- http://gerandofalcoes.com/https://www.facebook.com/Eduardo.LyraJF

Dirlei Bravin – coordenadora do GT Prêmio Abraps, representantes do Movimento Parque Augusta premiados do ODS 11 e Ismael Rocha – Conselheiro Consultivo da Abraps

Movimento Parque Augusta, Profissionais do Movimento Parque Augusta, representado pelo Augusto Aneas por sugestão da Dna Ana Dulce Maraschin. Eleita por nossos Conselhos do prêmio, Dna Ana estendeu a premiação a todos os profissionais que formam o Movimento.  A mobilização popular em torno da luta pelo Parque Augusta tem cerca de 40 anos. Foram diversas conjunturas e conquistas ao longo deste período, contando com a participação de muitos grupos e indivíduos. A partir de meados de 2013, como resposta a uma nova investida dos proprietários em construir prédios no terreno e a necessidade em se fazer pressão pela sanção de um projeto de lei que autorizaria a criação do Parque Augusta, um novo levante popular se formou e cresceu de maneira exponencial, organizado por meio de assembleias. Essa mobilização deu origem ao movimento Organismo Parque Augusta, nome influenciado pelo coletivo parceiro Organismo PikNik. O OPA é um movimentwo autogerido, horizontal e heterogêneo. Não tem líderes e nenhum grupo ou entidade oficialmente constituído o representa. Organiza-se a partir de assembleias públicas, reuniões de grupos de trabalho, ações diretas na rua e rede mundial de computadores. É aberto à participação de quem se interessar em apoiar a causa. https://www.parqueaugusta.minhasampa.org.br/https://www.youtube.com/watch?v=zIHjvPdCeb8

Ricardo Oliani – Diretor da Abraps, Claudia Pires premiada do ODS 12, Dirlei Bravin – coordenadora do GT Prêmio Abraps e Consuello Matroni artista criadora dos troféus de 2017

Claudia Pires, publicitária (ESPM) e cientista social (USP), com uma pós-graduação em Berkeley/USA, MBA em negócios no Insper e gestão de sustentabilidade (FGV), trabalhei durante 20 anos no mundo corporativo, liderando grandes marcas (eg: Suvinil, Gatorade, Toddy entre outras) e desenvolvendo estratégias de negócio. Fui responsável pela estruturação e implementação da área de sustentabilidade da PepsiCo no Brasil, assim como da fundação de seu Instituto no pais. Planejei e liderei a criação da Rede de Comercialização Zona Sul, hoje a maior rede de comercialização de resíduos sólidos de São Paulo gerenciada por cooperativas de catadores de materiais recicláveis. Quando sai da PepsiCo, após 13 anos, fiz algumas consultorias para grandes empresas como Santander, Heineken, Natura, Grupo Pão de Açúcar e Brasil Kirin, enquanto desenvolvia e amadurecia a so+ma. Atualmente 100% dedicada a so+ma. A so+ma é um programa de fidelidade para criar novos hábitos e um ambiente empreendedor nas comunidades de baixa renda, utilizando resíduos como “moeda” de engajamento.O projeto atua na mudança de atitude e empoderamento, valorizando o resíduo e, ao mesmo tempo, trazendo benefício real para o cidadão. Através de um sistema de pontuação online, todos os resíduos entregues são computados, transformados em pontos e trocados por produtos alimentícios e itens de cuidados básicos. Ao participar do projeto, além de receber tais produtos de troca, os participantes conseguem ter controle sobre a economia gerada em sua renda familiar, pois após a entrega de seus resíduos é gerado um relatório com todo o impacto ambiental positivo causado.Os locais de recebimento desses resíduos são gerenciados por cooperativas de catadores de resíduos sólidos. Através deste vínculo criado, a plataforma começa a entender os hábitos dos cidadãos e levantar as oportunidades de negócios existentes com o objetivo de contribuir com o desenvolvimento local.- https://www.somosasoma.com.br/sobrehttps://www.linkedin.com/in/claudia-pires/?ppe=1

Homenageados 2016

Ana Elisa Siqueira, Diretora da EMEF Desembargador Amorim Lima – Preocupada com a alta evasão – e ciente do triste fim que vinham a ter os alunos evadidos visto que, para muitos, era a escola o único vínculo social concreto – em 1996, o primeiro esforço da diretoria foi no sentido de manter os alunos na escola, durante o maior tempo possível. Nesta época, derrubaram-se os alambrados que cerceavam a circulação no pátio, num voto de respeito e confiança. A escola passou a ser aberta aos finais de semana, melhoraram-se os espaços tornando-os agradáveis e voltados à convivência. Enfim, a escola foi aberta à comunidade. Em 2003, entraram em contato com a pedagogia da Escola da Ponte de Portugal através da consultoria com a psicóloga Rosely Sayão e iniciaram o processo de transformação maior na pedagogia da escola, derrubando as paredes das salas de aula e formando grandes salões de aprendizagem. – http://escolastransformadoras.com.br/br/escola/emef-desembargador-amorim-lima/http://amorimlima.org.br/

Juliana de Faria,  é fundadora do ONG Think Olga, com foco em direitos das mulheres; criadora das campanhas Chega de Fiu Fiu e Primeiro Assédio, cujo objetivo é combater o assédio sexual; e uma das sócias da consultoria de comunicação Think Eva. Faz parte do Grupo Assessor da Sociedade de Civil do Escritório da ONU Mulheres no Brasil. É uma das autoras do ebook Meu Corpo Não É Seu, sobre violência de gênero, editado pela Companhia das Letras. Participou da delegação brasileira jovem do G20 (Y20). É alumni do programa Women Leaders do Departamento de Estado dos Estados Unidos. Por seus projetos, foi eleita uma das 8 mulheres inspiradoras do mundo, pela Clinton Foundation e pela revista Cosmopolitan US. Foi finalista do Prêmio Claudia, a maior premiação feminina da América Latina, na categoria Trabalho Social, e do Troféu Mulher Imprensa 2015, na categoria Redes Sociais. – http://thinkolga.com/

Mario Monzoni, Doutor em Administração Pública e Governo pela FGV-EAESP. Mestre em Administração de Política Econômica pela School of International and Public Affairs (SIPA), da Columbia University, Nova York, EUA. Mestre em Finanças Públicas pela FGV-EAESP. Bacharel em Administração de Empresas pela FGV-EAESP. Especializado em Sustentabilidade e Economia do Meio Ambiente, Mario é professor da FGV-EAESP e coordenador do Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP (GVces). Já atuou junto ao Departamento de Pesquisas do Banco Mundial. – http://www.gvces.com.br/

Bruno Capão, Transformador nato. Especialista em códigos culturais das periferias de SP, cocriador de projetos inspiradores: Sustenta CaPão, Espaço Recicle Pantanal e Cozinha SP, dedicado e comprometido no engajamento de pessoas dentro e fora de instituições. – http://projetodraft.com/sustenta-capao/https://www.youtube.com/watch?v=Z1BIZmy31SI